Quinta-Feira, 25 de Maio de 2017

Somos a igreja do Concílio Vaticano II

Lido 605 vezes
Avalie este item
(1 Voto)

O ano de 2015, marca os festejos pela passagem dos 50 anos da promulgação dos documentos do Concílio Vaticano II (1962-1965). Padre Raimundo Lipski,ms recupera em três pequenos artigos o que significou para todos nós este grande evento eclesial.

1. Início de conversa

Todo leitor costuma perguntar: o que é a Igreja? Quem a fundou? Qual a sua missão? A mesma pergunta é dirigida também para o Concílio. O que é um Concílio? Qual a sua missão? Quem o convoca? Qual o seu nome? E qual o seu objetivo?

A. O que é a Igreja?

É uma instituição fundada por Jesus com a missão de anunciar a Boa Nova do Reino de Deus a todos os povos (cf. Mc 16, 15). Ela não tem plano próprio. Jesus é quem lhe fornece o Plano Salvífico e a envia dizendo:
“Vão por todo o mundo e preguem a todos, tudo o que eu fiz, falei e vivi. E eu estarei junto com vocês” (cf. Lc 10, 1-9).


B. O que é um Concílio?

É uma reunião de todos os bispos do mundo convocados pelo Papa. Este Concílio foi convocado por João XXIII, era ano de 1958. O próprio papa, na sua mensagem da convocação, revela a sua intensão, o seu desejo, o seu objetivo quando afirma, comparando a Igreja a uma casa fechada: “Vamos abrir as janelas de nossa Igreja para entrar uma brisa suave. Pois, o povo vive sufocado por tantas leis rigorosas, por tantas normas severas, por tantas condenações injustas e prejulgadas”.


2. Situação da Igreja antes do Concílio Vaticano II

Algumas constatações positivas e negativas.

Constatação 1 – A própria Igreja vivia dividida interiormente. De um lado, vinha resistindo às ideias liberais e às propostas marxistas, ambas ateias, excluindo qualquer diálogo com a modernidade.
De outro, surgiam movimentos tanto católicos como defensores dos direitos humanos que aderiam à modernidade. Daí, a Igreja preferia ficar em cima do muro. Externamente permanece rígida, inflexível, intransigente; mas no coração nasciam sinais de diálogo.


Constatação 2 – Antes do Concílio Vaticano II, o povo vivia em situação turbulenta, sufocada por leis rigorosas, normas severas, condenações e excomunhões a todo momento

Constatação 3 – Muitos padres, bispos formados em Teologia, em bíblia, em liturgia, em ciências sociais, todos eles comprometidos com a “Nova Teologia” que, na Europa estava em alta, questionava a Igreja romana através de revistas e reflexões pedindo urgentemente à Igreja romana voltar-se para a realidade, descer do “poleiro” e se misturar com o povo sofredor tão humilhado por todos os lados.

Constatação 4 – diante do clamor dos povos pedindo mudanças e “agiornamento” na Igreja Católica, João XXIII, eleito então, papa, acolhe os clamores e convoca os bispos do mundo inteiro para colocar a Igreja Católica no caminho planejado por Jesus seu fundador.


3. Paralelo entre a Igreja Tridentina e do Vaticano II

Vamos agora, estabelecer um paralelo entre os dois concílios. Ou seja, descobrir como a Igreja era antes, e como ficou com o Concílio do papa João XXIII.


Algumas constatações positivas e negativas.

Constatação 1 – A própria Igreja vivia dividida interiormente. De um lado, vinha resistindo às ideias liberais e às propostas marxistas, ambas ateias, excluindo qualquer diálogo com a modernidade.
De outro, surgiam movimentos tanto católicos como defensores dos direitos humanos que aderiam à modernidade. Daí, a Igreja preferia ficar em cima do muro. Externamente permanece rígida, inflexível, intransigente; mas no coração nasciam sinais de diálogo.

Constatação 2 – Antes do Concílio Vaticano II, o povo vivia em situação turbulenta, sufocada por leis rigorosas, normas severas, condenações e excomunhões a todo momento.

Constatação 3 – Muitos padres, bispos formados em Teologia, em bíblia, em liturgia, em ciências sociais, todos eles comprometidos com a “Nova Teologia” que, na Europa estava em alta, questionava a Igreja romana através de revistas e reflexões pedindo urgentemente à Igreja romana voltar-se para a realidade, descer do “poleiro” e se misturar com o povo sofredor tão humilhado por todos os lados.


Constatação 4 – diante do clamor dos povos pedindo mudanças e “agiornamento” na Igreja Católica, João XXIII, eleito então, papa, acolhe os clamores e convoca os bispos do mundo inteiro para colocar a Igreja Católica no caminho planejado por Jesus seu fundador.


Este texto é apenas um pequeno “tira gosto” para incentivar o aprofundamento de tantos documentos aprovados no Concílio Vaticano II. Recordamos que mais do que “estuda-los precisamos coloca-lo em prática. Nas comemorações dos 50 anos deste precioso documento queremos confirmar: NÓS SALETINOS SOMOS IGREJA A PARTIR DA PROPOSTA DO CONCÍLIO VATICANO II!

Para concluir esta reflexão vamos juntos cantar:

Nas horas de Deus, amém! Pai, Filho e Espírito Santo! Luz de Deus em todo canto, nas horas de Deus, amém!

Nas horas de Deus, amém! Que o bem nos favoreça, que o mal não aconteça, Nas horas de Deus, amém!

Nas horas de Deus, amém! Que o coração do meu povo, de amor se torne novo, Nas horas de Deus, amém!

Nas horas de Deus, amém! Que a colheita seja boa, que ninguém mais vague à toa, Nas horas de Deus, amém!

Nas horas de Deus, amém! Deus abençoe os artistas, as crianças e as catequistas, Nas horas de Deus, amém!

Mais Lidas

Maria na história da Igreja

08 Mai 2017 Notícias Salette

Maria, Modelo da Igreja

08 Mai 2017 Notícias Salette

Maio, mês de Maria

08 Mai 2017 Notícias Salette

Nota de pesar

16 Mai 2017 Notícias Salette