Quinta-Feira, 25 de Maio de 2017

36 anos do Documento de Puebla

Lido 568 vezes
Avalie este item
(0 votos)

01.Memória histórica de Puebla

Puebla é uma cidade do México igual às demais cidades. Mas a partir de uma Conferência promovida pelos bispos católicos da América Latina e do Caribe (a CELAM – Conferência Episcopal Latino Americana) passou a ser um símbolo, e uma referência na caminhada da Igreja latino-americana. Tanto é verdade que, quem fala, hoje em Puebla lembra imediatamente do método “ver-julgar-agir” introduzido nas pastorais e movimentos populares. O documento de Puebla nos faz lembrar da “opção preferencial pelos pobres” e do “protagonismo ocupado pelos jovens” na caminhada da Igreja. Esta 2ª Conferência do CELAM aconteceu de 27/01/1979 a 13/02/1979. Por que as decisões de Puebla, passados 36 anos continuam como uma referência e um documento a ser utilizado por nós hoje?

Referência 01: Porque lá foram traçados novos métodos educativos para transmitir com maior eficiência, precisão e coerência, o Anúncio do “Reino de Deus” para os povos da América Latina.

Referência 02: Porque lá foi feita a revisão da caminhada da Igreja após o Concílio Vaticano II e a proposta de seguir a exortação Apostólica do Papa Paulo VI sobre a Evangelização no continente latino americano.

02.Puebla resgata verdades esquecidas pela Igreja

Entre outras, vamos destacar:
1º ) O uso do método científico investigativo, em busca da verdade, através do ver-julgar-agir
2º ) O despertar da Igreja para os verdadeiros destinatários do evangelho na “opção preferencial pelos pobres”
3º ) A convocação da Igreja latino americana para voltar seu olhar para a juventude através da “opção preferencial pelos jovens” na formação de uma sociedade justa, fraterna e solidária
4º ) A confirmação da dimensão política da fé (Cf Puebla 512).

03.Passaram-se 36 anos – mas a sua mensagem continua viva

Continua viva, porque foi construída sobre a rocha, sobre valores que não passam, sobre verdades eternas. Alguém poderia questionar dizendo: “O documento de Puebla foi bom, mas para o povo daquela época”...

Hoje tudo mudou e continua mudando de forma surpreendente. Sabemos que depois da Conferência de Puebla já aconteceram mais três. Hoje na catequese somos convidados a colocar em prática as decisões do documento de Aparecida, mas as decisões de Puebla não podem ser esquecidas...

Respondendo a esta objeção quem vai nos clarear é a sabedoria divina presente na natureza ecológica. Prestemos atenção: a mesma chuva que irriga hoje a terra, já irrigou –a há 36 anos atrás. Pergunto: o que foi mesmo que mudou? Por acaso a água mudou-se em pedra, a bananeira em laranjeira?

Na verdade vivemos em continua evolução. Há evoluções quantitativas e qualitativas. Foi o próprio Darwin que nos abriu os horizontes, dizendo: “Há verdades finitas e há verdades eternas”. São Paulo confirma as palavras do cientista e acrescenta um dado do transcendente, dizendo: Todas as instituições são finitas, provisórias, sujeitas a desaparecer... entretanto a proposta de Deus revelado em São Paulo diz: “o céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não passarão”(II Cor 5,17).

Pe Raimundo Lipski,ms (*)
(*) Pe Raimundo Lipski, missionário saletino. Mora atualmente em Curitiba e faz parte da equipe de produção de textos para as redes sociais.

Última modificação em Sexta, 03 Julho 2015 15:12

Mais Lidas

Maria na história da Igreja

08 Mai 2017 Notícias Salette

Maria, Modelo da Igreja

08 Mai 2017 Notícias Salette

Maio, mês de Maria

08 Mai 2017 Notícias Salette

Nota de pesar

16 Mai 2017 Notícias Salette