Segunda-Feira, 21 de Agosto de 2017

UM DEUS ABSOLUTAMENTE SIMPLES

Publicado em Padre Adilson Schio MS
Lido 94 vezes
Avalie este item
(0 votos)

 

LEITURA

Na Segunda Carta aos Coríntios, Paulo expressa toda a sua convicção sobre o Evangelho que prega e mesmo dizendo-se que muitas vezes é fraco, sente que a força se manifesta justamente nesta fraqueza. No trecho da Segunda Leitura da Festa da Santíssima Trindade podemos perceber esta motivação profunda de Paulo quando ele diz “vivei em paz e o Deus do amor e da paz estará convosco” (v. 11). Paulo encoraja a comunidade a se encorajar mutuamente. Merece um olhar meditativo o Salmo Responsorial que a Liturgia deste domingo prevê. Trata-se de uma bela oração tirada do Livro de Daniel que bendize o Deus presente na história (“Deus de nossos pais”); um Deus forte (“seu nome é santo”); o Deus das profundezas e do firmamento (“aquele que sonda e que é vitorioso”). A este Deus “louvor, honra e glória, para sempre”. Na primeira Leitura Deus se revela a Moisés como o Deus da misericórdia que vai ao encontro da pessoa e com ela renova a sua aliança.

 

MEDITAÇÃO

Um Deus próximo que se faz sempre muito próximo. É isto que nesta Solenidade da Santíssima Trindade somos convidados a celebrar e por isso mesmo a nos deixar contagiar por esta verdade do Deus que amamos e em quem acreditamos. Três pessoas em uma realidade de vida. Mistério insondável de um Deus que seja no Pai, no Filho ou no Espírito, é sempre doação, caminho e verdade. São belíssimas as expressões do Credo Niceno-Constantinopolitano, quando falam da trindade de Deus: o Pai “criador de todas as coisas”, o Filho, “Deus de Deus, Luz da Luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro, gerado, não criado”, e o Espírito que “dá a vida, e procede do Pai e do Filho”. Encontramos também no Evangelho de São João algumas das mais belas expressões referentes à Trindade, especialmente no Último Discurso de Jesus (capítulos 14 a 17), mas desde o início de seu Evangelho João evoca a força da Trindade como geradora de unidade e de presença constante no meio de nós. Vejam que bela frase: “E a Palavra se fez homem e habitou entre nós. E nós contemplamos a sua glória: glória do Filho único do Pai, cheio de amor e fidelidade” (Jo 1,14). Outro detalhe significativo do Evangelho de João é que sempre que ele se refere a Deus, junto com o Filho e o Espírito, sempre é em associação à ideia de uma relação de amor, até mesmo do amor mais profundo que é a doação da própria vida: “De fato, Deus amou de tal forma o mundo que entregou o seu Filho único para que todo o que nele acredita não morra, mas tenha a vida eterna” (Jo 3,16). Para João esta é a verdade que Jesus veio dizer ao mundo, esta é a verdade que ilumina tudo, porque revela que o mistério fundante de tudo e a explicação de todas as coisas é a verdade de que Deus é amor, ou seja, Deus é a comunhão de vida do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Mais importante do que encontrar fórmulas para expressar a compreensão do mistério das três pessoas numa única natureza, é descobrir o que a doutrina da Trindade pode nos ensinar para a nossa vida cristã. Ao celebrarmos esta verdade de fé se pede a nós cristãos que procuremos ter ao menos essas quatro atitudes: ADORAÇÃO: como não louvar, bendizer e glorificar a esse Deus trino de amor que faz de nosso corpo a sua morada. ADMIRAÇÃO: a grandeza de Deus não é feita de poder e da força como a de um exército (Salmo 20), mas Deus é grande e forte pelo amor. COMUNHÃO: na nossa pequenez, mas sempre pela nossa fé, nos unimos ao Deus Trindade para fazer deste Deus o modelo de nossa vida cristã. PROFISSÃO DE FÉ: cremos com toda a esperança que Deus é o centro da nossa fé e o autor de toda a vida, por isso dizemos: “Eu creio em Deus...”. É muito profundo e ao mesmo tempo “sereno” o que disse a Igreja em 1215, no Quarto Concílio de Latrão, a cerca da Trindade: “Nós acreditamos com firmeza e afirmamos simplesmente que há um só Deus verdadeiro, imenso e imutável, incompreensível, todo-poderoso e inefável. Pai e Filho e Espírito Santo: três pessoas, mas uma só essência, uma só substância ou natureza, absolutamente simples”. “Afirmamos simplesmente”: há um só Deus. Assim terminamos a nossa reflexão deste domingo: o nosso Deus é um Deus “absolutamente simples”.

ORAÇÃO

A Vós, Pai onipotente, origem do cosmos e do homem, por Cristo, o Vivente, Senhor do tempo e da história, no Espírito que santifica o universo, a Adoração, a honra, a glória, hoje e nos séculos sem fim. Amém. (João Paulo II – Oração à Santíssima Trindade)

 

AGIR

No seu momento de oração sinta-se nas mãos da Trindade. O Pai que te chama, o Filho que te estende a mão, o Espírito que não sai de dentro de ti.

 

Pe. Adilson Schio, MS.

Mais Lidas

Um mês dedicado às vocações

03 Ago 2017 Notícias Salette

Mês Vocacional 2017

07 Ago 2017 Notícias Salette

A Vocação Sacerdotal

13 Ago 2017 Notícias Salette

A Vocação de ser pai

13 Ago 2017 Notícias Salette