Sexta-Feira, 26 de Maio de 2017

DO TRIUNFO PARA A MORTE. DA MORTE PARA A VIDA

Publicado em Padre Adilson Schio MS
Lido 61 vezes
Avalie este item
(0 votos)

 

LEITURA

O “Domingo de Ramos” e também, da “Paixão do Senhor” coloca juntos o triunfo de Jesus e sua paixão. Na celebração e no ensinamento deste dia, a Igreja expressa com a Liturgia esta dupla realidade da glória e do sofrimento própria do mistério pascal. A procissão de início da celebração recorda a entrada de Jesus em Jerusalém e a aclamação de “hosana” com que o povo o acolheu. Os ramos que carregamos nesta procissão tornam-se sinal da nossa alegre participação nesse rito e são a mais pura expressão de fé da Igreja no Cristo, Messias e Senhor. Ele vai ao encontro da morte para dar a todos a salvação, é por isso que com a procissão de Ramos se inicia a Semana Santa. Hoje a Primeira Leitura, tirada do Livro do Profeta Isaías, apresenta um profeta que é chamado por Deus para testemunhar, no meio das nações, a Palavra de Salvação. Na Segunda Leitura, um belo hino onde Paulo fala do Cristo como princípio e fim de todas as coisas. Ele assumiu a condição humana para revelar totalmente o amor do Pai.

 

MEDITAÇÃO

Para entender bem a mensagem do Evangelho deste domingo, principalmente aquele que narra a chegada de Jesus a Jerusalém, é preciso resgatar o verdadeiro sentido desta entrada. O próprio Evangelho de Mateus dá uma informação importante, quando no v. 5 cita o profeta Zacarias. Um Profeta do tempo em que o povo vivia uma situação de grande opressão e pobreza, e que procura animar a sua gente mantendo viva a força da resistência da fé no Deus verdadeiro. Zacarias anuncia com seu profetismo que a esperança está na chegada de um Messias e que ele teria três grandes características: seria rei (ver Zacarias 9,9-10), bom pastor (Zac 11,4-7), mas também “transpassado... por ele muitos chorarão” (Zac 12,9-14). O Reino daquele rei não seria de dominação e opressão como tantos outros na história do povo de Deus, mas de paz, de justiça e de solidariedade: “Dance de alegria, cidade de Sião; grite de alegria, cidade de Jerusalém, pois agora o seu rei está chegando, justo e vitorioso. Ele é pobre, vem montado num jumento, num jumentinho, filho duma jumenta. Ele destruirá os carros de guerra de Efraim e os cavalos de Jerusalém; quebrará o arco de guerra. Anunciará a paz a todas as nações, e o seu domínio irá de mar a mar” (Zc 9,9). Aqui está o verdadeiro sentido da recordação da entrada de Jesus em Jerusalém: acolher na alegria e na esperança o Messias dos pobre e dos justos, que faz da vitória não um triunfo pessoal que vem da força, mas da fidelidade ao projeto de Deus, no seguimento até a Cruz, para gerar a vida nova na ressurreição. A vitória de Jesus é a vitória da fidelidade e do compromisso. O outro Evangelho proclamado neste Domingo, narração da Paixão, nos coloca no meio de todo o processo injusto de condenação e morte de Jesus. Mas de tudo o que podemos ver é que, mesmo em na “escuridão da morte”, renasce a luz de um novo dia e que faz até mesmo o soldado romano declarar que Jesus era o Filho de Deus. Como o Papa Francisco nos recordou nesta semana, a Igreja nasce da contemplação do rosto de Deus crucificado. Nasce da cruz e do sentimento de dor e de amor por Jesus daquele pequeno grupo de seus discípulos e das mulheres que o seguiam e que, no seu amor, revelam o mesmo sentimento que Deus tem pelo mundo. O que sentimos quando olhamos para a cruz de Jesus? Vemos ali verdadeiramente o caminho da salvação ou não entendemos como Jesus pôde terminar sua vida deste jeito? Lembremos o que diz o Evangelho: Jesus passou a vida fazendo o bem e sendo fiel à missão que recebera do Pai. Num dia o triunfo no outro a morte, mas devemos sempre lembrar que ainda haveria um outro dia, o terceiro dia, o dia da vida nova, da ressurreição que vence a morte e todas as nossas mortes para nos fazer plenamente merecedores da salvação que nos vem de Deus, por seu filho Jesus, morto na cruz pelos nossos pecados.

 

ORAÇÃO

Escuta Senhor, a oração do teu povo que celebra a paixão do teu Filho. Fazei que experimentemos a libertação da cruz e a ressurreição da vida em Jesus. Convertei-nos pela força do vosso amor e tornai-nos sensíveis às dores dos nossos irmãos e irmãs. Amém.

 

AGIR

Leia várias vezes a Segunda Leitura (Filipenses 2,6-11) e faça desta leitura uma preparação significativa para celebrar com a Comunidade a Semana Santa. 

 

Pe. Adilson Schio, MS.

Mais Lidas

Maria na história da Igreja

08 Mai 2017 Notícias Salette

Maria, Modelo da Igreja

08 Mai 2017 Notícias Salette

Maio, mês de Maria

08 Mai 2017 Notícias Salette

Nota de pesar

16 Mai 2017 Notícias Salette