Sexta-Feira, 20 de Outubro de 2017

UM VERDADEIRO CAMINHO

Publicado em Padre Adilson Schio MS
Lido 184 vezes
Avalie este item
(0 votos)

 

 

LEITURA

Hoje, com esta Liturgia especial, iniciamos o Tempo da Quaresma, como um tempo sacramental da nossa conversão. Todo aquilo que celebramos neste dia nos convida a acolher alguns sinais próprios para uma mudança de vida em vista de celebrarmos este tempo quaresmal destinado à oração, ao jejum e à uma atenção mais especial aos que necessitam. A Primeira Leitura nos mostra a profecia que nos convida a “voltar ao Senhor” com todo o coração. A conversão, que é apresentada nesta leitura como atitude de retorno aos caminhos de Deus, é sinalizada com traços claros de arrependimento, isto é, da tomada de consciência da nossa infidelidade para com o imenso amor de Deus e do arrependimento dos nossos pecados. Deus é sempre pronto a perdoar: “Então o Senhor encheu-se de zelo por sua terra e perdoou ao seu povo” (1ª Leitura, v. 18). Na Segunda Leitura, da Segunda Carta de São Paulo aos Coríntios, vemos o Apóstolo insistir em que este é “o momento favorável para a salvação” (cf. 2ª Leitura, 6,1), por isso ele faz o apelo para que “nos deixemos reconciliar com Deus em nome de Cristo Jesus” (v. 5,20). O Evangelho nos mostra, por sua vez, o estilo próprio deste caminho de conversão e reconciliação: no segredo, na simplicidade e na sinceridade, para não fazer do nosso itinerário de fé uma negociação ou uma conquista de mérito, mas uma graça de olhar para Deus, escutar a sua palavra de vida e comprometer-se a agir em vista desta união e deste amor.      

 

MEDITAÇÃO

O que significa iniciar um sincero e verdadeiro caminho de conversão? Como podemos entender a conversão que deve acontecer em nosso coração e em nosso agir cristão, num contesto mais amplo e mais eclesial? Como fazer do tempo da Quaresma um momento marcante de nossa vida em comunidade pela fraternidade? Podemos dizer que estas perguntas são para nós um desafio que nos é lançado no dia de hoje e que se faz apelo forte na Liturgia deste tempo. Lembremos que o ponto forte do Tempo de Quaresma é apresentar um caminho de conversão e de preparação para celebrarmos juntos os mistérios da Páscoa. Porém, o tempo litúrgico que iniciamos hoje não é só transitório, é um tempo próprio para viver na intensidade de uma espiritualidade que nos faz voltarmo-nos a nós mesmos para, “investigando” nossa vida cristã, descobrirmos os descaminhos por onde andamos e as infidelidades nas quais “tropeçamos”. É neste contexto que, após a Liturgia da Palavra em que se proclama o Evangelho onde o Cristo recomenda a oração, o jejum e a esmola como exercícios de conversão, que se realiza o rito da imposição das cinzas. Estas cinzas têm um significado e um sinal muito próprios: significa a razão maior da nossa conversão que é assemelhar-se às palavras do Evangelho já que ao recebermos tal marca na testa, nos é dito a frase “converta-te e crede no Evangelho”, ou então, em outras palavras, “creia e assuma para si aos ensinamentos propostos por Jesus”. O sinal que permanece em nós nos faz lembrar de que é tempo de penitência, de recordar que somos “pó e ao pó voltaremos”, sinal da humildade do discípulo que quer reconciliar-se com seu mestre. Estamos em tempo de conversão, e por isso nos propomos livre e profundamente um caminho de mudança para alcançarmos a vida na plenitude da graça salvífica de Deus. É belo o texto de uma das orações que a liturgia prevê para a bênção das cinzas. Esta oração diz: “Reconhecendo que somos pó e que ao pó voltaremos, pela observância da Quaresma, possamos obter o perdão dos pecados e viver uma vida nova, à semelhança do Cristo ressuscitado”. Que seja marcante neste dia as palavras que ouvimos no Evangelho e que elas nos ajudem a não hesitar em reencontramos a Deus que na alegria do nosso arrependimento, nos concede com amor o perdão dos pecados. Convertamos o coração neste tempo que hoje iniciamos em comunidade e o Senhor será sempre a nossa força pois “o Teu Pai que vê o que está escondido, te dará a recompensa”.

 

ORAÇÃO

Salmo 50 – Criai em mim um coração que seja puro, dai-me de novo um espírito decidido. Ó Senhor, não me afasteis de vossa face, nem retireis de mim o vosso Santo Espírito! 

 

AGIR

Inicie este Tempo de Quaresma com um tempo mais profundo de oração e de experiência de Deus, no silêncio e na participação ao Sacramento da Eucaristia.

 

Pe. Adilson Schio, MS.